AÇAFRÃO DA TERRA

Curcuma longa

Origem: Ásia (Índia e Indonésia)

Família: Zingiberaceae

É fundamental fortalecer o sistema imunológico, sempre, e nestes tempos de pandemia essa preocupação precisa ser redobrada. As defesas do nosso organismo vão nos proteger da maioria das doenças que afligem nosso corpo durante toda a vida.  E uma simples planta pode valer por uma farmácia medicinal.

O Açafrão da Terra é primo do gengibre e ganha vários nomes: cúrcuma, turmérico, raiz-de-sol, açafrão-da-índia, açafroa e gengibre amarelo. Muitos confundem com o outro açafrão aquele considerado uma das especiarias mais cara do mundo, que tem o tom avermelhado e são pistilos de uma Flor lilás chamada Crocus Sativus. O Açafrão da terra é uma raiz de cor laranja, possui uma flor muito bonita branca, com folhas longas e largas.

É uma planta perene, com um pequeno pedaço do rizoma (raiz) que tem uma gema ou “olho” (aqueles calombos na raiz), e por ser muito resistente, se adapta e se expande no solo. De tempo em tempo solta suas folhas e hastes florais que quando secam indicam que está pronto para colheita. É neste momento que sua cor alaranjada se intensifica, ou seja, somente depois da floração que pode colher os rizomas. É uma planta de clima tropical adaptada com temperaturas quentes e abaixo de 12 C º não produz muito bem. Prefere solos argilosos, areados, bem drenados e adubados com matéria orgânica e/ou esterco animal. Aceita sol pleno, porém precisa ser irrigada. Se forem cultivados em vasos que sejam largos e com uma profundidade média de 50cm para ela se espalhar.

É usado há mais de 4000 anos no Oriente Médio, na medicina Ayurveda e na medicina tradicional Chinesa. Possui inúmeros minerais e nutrientes: potássio, que ajuda a regular a pressão arterial, fonte de vitamina C para aumentar a imunidade, vitamina B6 para o cérebro, ferro, manganês, cálcio, magnésio, proteína e a curcumina que possui ação antioxidante e anti-inflamatório.

Alguns dos seus incríveis benefícios: contribui para o combate ao câncer de próstata, mama, melanoma, pâncreas, diminui o risco de leucemia, e a ocorrência de metástases em diversos tumores. Desintoxica o fígado, é benéfico para o coração, ajuda no controle do diabetes, neutraliza radicais livres, reduz a inflamação da artrite, tem ação analgésica, antisséptica e antibacteriana. Age no metabolismo das gorduras auxiliando na perda de peso, ajuda no combate à acne, à psoríase e outras doenças de pele, e acelera a cicatrização. Previne a doença de Alzheimer, combate a depressão e a esclerose múltipla. Com sua “super” ação anti-inflamatória é benéfico para qualquer doença relacionada com processos inflamatórios.

Seus usos são muitos, mais gostaria de enfatizar que para ter um melhor retorno para saúde é melhor usar suas raízes frescas. Fica muito saboroso na comida, substituindo por exemplo o alho por pedaços picadinhos, além de deixar uma cor alaranjada no arroz/ lentilha e o que mais sua imaginação criar. Dá para ralar cru em saladas, fazer pães, tortas salgadas e omeletes. Me encanta tomar seu chá de cor alaranjada intenso, que levanta qualquer caída da imunidade, podendo tomar até 3X ao dia.

Receita do chá do Açafrão da terra:

  • 1 colher de sopa ralado ou em pedaços para 1 xícara de chá.

Deixe ferver por 5 minutos e depois tampe por mais 5 minutos, coe e está pronto. Pode tomar quente ou gelado.

Suco de Açafrão da terra:

  • 1 colher de sopa ralado ou em pedaços

  • 1 copo de água gelado

  • 1 limão (suco)

  • folhas de hortelã

Bater todos os ingredientes.

Tintura para manipular: Açafrão da terra com cravo-da-índia.

Seja em pó, encapsulado ou fresco o importante é incluir o açafrão na sua alimentação. Seu corpo e sua mente agradecem e sua vida será mais longa e saudável.

Compartilhe com seus amig@s e familiares.

Já tomou seu chá hoje?

 

Por: Natalia Schmeiske

Revisado: Luciano Pascoal

 

Conheça as plantas dos nossos chás: Casca da amêndoa do Cacau

Árvore Cacaueiro.

O Cacaueiro, também conhecido pelo nome científico Theobroma cacao, tem sua origem na chuvosa Bacia do Rio Amazonas da América tropical. As migrações indígenas através dos tempos levaram a planta para outras regiões da América central e norte. Neste ambiente sombreado e úmido, sem intervenção humana, o cacau pode chegar a até 20 metros. Hoje nos cultivos chega a ter 5 metros de altura. Esta maravilhosa árvore produz duas vezes ao ano, para nossa felicidade.

Yasser, descendente dos Maias. (Foto: Luciano Pascoal)

Os primeiros registros da domesticação da planta, chamada Kakaw pelos Maias, datam de 400 A.C.  Os Astecas, no México, e os Maias, na América central, a consideravam sagrada. Acreditavam ser de origem divina e todo cultivo era acompanhado de solenidades religiosas. Era tão admirada que foi usada como moeda de troca. Ainda hoje é possível experimentar a receita original de chocolate que os Maias tomavam no desjejum. (Chocolate vem da junção de duas palavras maias: Chokoh: quente;  e Ha: água) O Museu do Chocolate fica ao lado das ruínas de Uxmal, Yucatán, no México e oferece uma degustação. No forno à lenha o jovem Yasser, descendente dos Maias, cozinha cacau moído, pimenta gorda e Achiote (no nosso Urucum). Os antepassados de Yasser tomavam isso pela manhã para ganhar ânimo. Realmente a bebida picante agita o corpo e a alma.

Misturando leite e açúcar surgiu um produto deliciosos e irresistível conhecido no mundo inteiro.

Blend Choco Tea

Aqui na Chacura desenvolvemos um chá preparado da casca da amêndoa torrada do Cacau. Foi amor na primeira degustação. Um misto de alegria e um sentimento de “como não conheci antes?” E desde fizemos muitas pesquisas e buscamos bons fornecedores aqui no Brasil. Sonhamos ,soltamos e o Universo retribuiu. Em Dezembro de 2019 lançamos nosso blend Choco Tea.

A casca da amêndoa do cacau é uma potência antioxidante, cheia de vitaminas e minerais. Possui Magnésio, Zinco, Potássio, vitaminas B1 e B2, Cálcio, Selênio, Ferro e a Theobromina. Esta última é encontrada em grandes quantidades no cacau, e age como um neurotransmissor estimulando a produção de dopamina e serotonina. Provoca uma sensação de bem-estar e melhora o humor.

Tomar chá da casca da amêndoa do cacau além de trazer energia sem a cafeína melhora o ânimo e a disposição.

Nosso blend especial Choco Tea, além do cacau, leva gengibre, canela e jasmim. Elaborado especialmente para renovar as boas energias. Desfrute de todos os benefícios do cacau de maneira sustentável e prazerosa! Experimente o Choco Tea!

Cor amarelo vivo, Sol.

Por: Natalia Schmeiske e Luciano S. Pascoal

Edição: Luciano S. Pascoal

Um nova década mais saudável.

Todo início de ano é um momento de reflexão, de planejamento, de olhar além do horizonte. Em Janeiro aconteceram alguns movimentos pessoais, e dentro da Chacura, que me permitiram meditar sobre o momento atual da sociedade.  Gostaria de compartilhar um pouco o que tenho lido e refletido como uma microempresa de chás neste mundão digital.

Imaginem ficar um dia sem internet? Tenho certeza que só de pensar muitos já ficam ansiosos. Achar um equilíbrio entre não ficar desatualizado e manter uma vida offline saudável já é uma tendência.  Uma ótima meta para 2020 é manter uso moderado das redes.

Há outras questões pessoal e empresarial: temos que postar todo dia? responder a todo momento? prometer “mundos e fundos” e não conseguir cumprir? Pensando nisso lancei outros propósitos: valorizar as trocas humanas, o contato pessoal, os encontros acompanhados de um bom chá, claro.

A Chacura nasceu falando do “slowliving”, conceito mundial que busca uma vida baseada em valores simples e reais, e isso não mudou para a gente. É preciso desacelerar. Menos luxo, menos consumo e evitar a “gourmetização” de tudo (tudo mesmo!)

Dia desses fiz uma postagem no Instagram da Chacura falando sobre que a cultura do chá está vinculada a hábitos requintados e porcelanas refinadas. Mas paralelo a isso existem as tradições das Tisanas ou chás de cura, as infusões da vozinha, dos utensílios artesanais, de costumes ancestrais, e por aí vai. Bom mesmo é viver sem pressão, utilizar o que está no seu entorno, valorizar o que está ao seu alcance e ser agradecido por isso.

Então nesta nova década espero que possamos cuidar da gente, do outro e do planeta! Compreender que uma pausa faz bem para mente e para o corpo. Reservar um momento todo dia para autocuidado, o autoconhecimento, para descobrir nossas essências. Como dizia o Poeta Paulo Leminski: “Isso de ser exatamente o que se é ainda vai nos levar além.”

Aqui na Chacura não tem espaço para preconceitos e intolerância.

Seja como for, seja como flor, seja você!

E tomem muitos chás! Todo dia!

E por aqui vamos continuar com um trabalho autoral, artesanal, sem pressa, com essência e com estudo. Vamos crescer junto com vocês!

Um ótimo ano a tod@s!



Por: Natalia Schmeiske

Editor: Luciano S. Pascoal



ALECRIM – Rosmarinus officinalis L.

Origem: Mediterrâneo

Família: Labiadas

Alecrim florido.

É um privilégio ter uma pé de Alecrim em casa. Além de um delicioso tempero para muitos pratos salgado, esta planta se transforma num chá adocicado e tem muitas indicações medicinais. Planta arbustiva, não fica maior que 1,5 m de altura. Parece um pinheiro pequeno com suas lindas folhas verdes. Vem da região do Mediterrâneo onde coleciona lendas sobre seus usos mágicos, mas é cultivada em todos os países de clima temperado de Portugal à Austrália.

Não é difícil fazer uma muda de Alecrim, geralmente feito pela estaquia e mergulhia, ou seja, pegar um ramo de alecrim de tamanho mediano e deixar alguns dias mergulhado na água. Quando notar que já saíram as raízes, plantar no lugar desejado. Não gosta de ser transplantado depois de grande, acaba secando inteiro. Pouco exigente com o solo, até prefere solos com maior quantidade de calcário, já que nasce espontânea nas praias do Mediterrâneo. Gosta de sol, mais aguenta um pouco de sombra. Depois que atinge um metro de altura dura por muitos anos. Suas flores são azul-claras com um aroma muito agradável.

Alecrim em solo de calcário

O Alecrim pode ser usado de várias maneiras, tanto externo como interno. Seu chá, ao contrário do que muitos imaginam, é adocicado e muito aromático. Alguns benefícios conhecidos: alivia a má digestão, gases, dor de cabeça e cólicas menstruais; combate a fraqueza e ajuda a melhorar a memória; auxilia no tratamento dos rins, equilibra a pressão arterial, problemas de reumatismo, cistite, hemorroidas inflamadas e enterocolites. Também abre o apetite e acalma febre e tosses. Ampara casos depressivos e de histeria.

Já seus usos externos vão desde cicatrizante à estética.  Tem ação cicatrizante e antibacteriana contra Staplylococcus e Monilia. É um tônico capilar maravilhoso podendo ser usado na forma de tintura vegetal adicionado no shampoo ou fazendo um chá um pouco mais forte e deixado em infusão por pelo menos duas horas; coe e jogue no couro cabeludo. É impressionante como ajuda no crescimento dos cabelos, deixando-os mais brilhosos além de hidratar a pele também.

Receita de Infusão de Alecrim:

5g de folhas ou flores.

200ml de água fervendo.

Deixe 10 minutos tampada, coe e pode tomar até 3X ao dia. Ao ser ingerido o chá em jejum é muito eficiente para tratamentos digestivos.

Experimente hoje mesmo, e se surpreenda também com este chá! Aqui na Chacura ainda não usamos nas infusões. Por enquanto seguimos estudando e admirando o maravilhoso Alecrim.



Por: Natalia Schmeiske

Editor: Luciano S. Pascoal



CONHEÇA AS PLANTAS DOS NOSSSOS CHÁS: CAMOMILA

Quem ama também?

Infusão da Camomila

Quase todo mundo que conheço já tomou este chá de flor alguma vez e provavelmente foi uma das primeiras infusões da vida. É a planta medicinal mais utilizada no mundo. Existem algumas variedades, as mais utilizadas é a Camomila Inglesa ( Anthemis nobilis) e a Camomila-da- Alemanha ( Matricaria chamomilla). A inglesa é uma planta rasteira, anual e deve ser semeada também anualmente. A Alemã também é anual porém é um arbusto que chega até 60 cm, capaz de rebrotar depois do rigoroso inverno Europeu. As flores são a parte utilizada para fazer chá e nos inúmeros usos da camomila na cosmética.

Anthemis nobilis

A infusão é utilizada para facilitar a digestão e combater náuseas, acalma gastrite e alivia espasmos estomacais e diarreia infantil. É um tônico para todo o corpo e também um bom vermífugo. Usado também no tratamento de dores musculares. Além da bebida uma boa dica é tomar um banho forte de infusão de suas flores ou amarrar um saquinho com a erva no chuveiro e se deliciar com um banho relaxante e revitalizante.

Matricaria chamomilla

Utilizada também para aliviar tensão pré-menstrual e cólicas menstruais. É um calmante natural e junto com a hortelã ajuda a diminuir os sintomas de gripes e resfriados. A medida de 1 colher de sopa para 1 xícara de chá fica perfeita para sua infusão.

Flores secas

Existem muitos usos na cosmética também. Acredito que muitos de vocês já escutaram que clareia os cabelos. Também ajuda nas compressas nos olhos inchados. Um travesseiro de camomila acalma os bebês e ajuda no combate à insônia em todas as idades.

Na Chacura usamos esta maravilhosa flor nas infusões Kids, Chá Yin e no Todo Dia.

Visite a loja

E vocês como utilizam a Camomila? Qual a história dessa planta que marcou sua vida?



Por: Natalia Schmeiske

Editor: Luciano S. Pascoal



Uma breve história dos chás

Eu sempre gostei de estudar história. Quando comecei a pesquisar as plantas medicinais recolhi muito relatos interessantes.  Estudar os chás medicinais é entender um pouco da história humana, afinal, caminhamos e evoluímos juntos. Imaginem a emoção da primeira mulher (ou primeiro homem) que observou que do fruto maduro caído rebrotava a mesma planta? Uma descoberta que mudou o destino da humanidade. Os grupos humanos, antes nômades, começaram a criar raízes e a cultivar suas comunidades.

Alguns dos documentos mais antigos de plantas são chineses. Em 3.700 AC. o governante Shen Nong escreveu que para cada doença existe uma planta que pode cura-la. Considerado o pai da agricultura e medicina chinesas ele descreveu 365 plantas de usos medicinais. Conta a lenda que Shen Nong, cujo nome significa literalmente Divino Agricultor, nasceu com a barriga transparente e assim podia ver, ao tomar um chá, qual órgão era beneficiado. Ah! Esqueci de falar que quando falamos de história das plantas os grandes herbalistas eram também curandeiros e místicos. Este bondoso imperador também criou o arado que melhorou muito o cultivo da terra e ensinou as pessoas a assarem seus alimentos.

Os Sumérios (6500 AC até 1940 AC), a mais antiga civilização da Mesopotâmia, eram grandes agricultores e usavam a erva-doce, a Beldroega e o Alcaçuz. Os lendários Jardins Suspensos da Babilônia, uma das 7 Maravilhas do mundo antigo, seriam o berço de diversas plantas, como o alecrim e açafrão da terra. A própria Bíblia traz relatos sobre a raiz de mandrágora, o cominho, a malva e a babosa.   

No Egito, uma das primeiras civilizações, era comum o uso de plantas medicinais como coentro, erva doce, sene, losna, manjericão, tomilho e anis estrelado.  A Índia possui um dos mais antigos sistemas medicinais da humanidade, a Ayurveda, que remonta a uma tradição de 7 mil anos. Descreve o uso de diversas plantas, melhores técnicas de plantio, clima adequado e horários de colheita.

Na Grécia em 460 AC viveu Hipócrates, considerado o “pai da medicina” e da ética médica. Usou uma média de 300 remédios naturais que, junto com mudanças no estilo de vida do paciente e dieta, corrigiam desequilíbrios. Ele notou que a cura está relacionada com o tempo e às circunstâncias individuais.

O mundo mudou com a queda do Império Romano e na Idade Média os conhecimentos sobre plantas medicinais ficaram trancados em monastérios. Ainda hoje é possível visitar alguns na Europa e seus lindos jardins de ervas. Porém por volta de 1500 aparece na cena médica europeia um suíço médico, astrólogo, físico e um grande alquimista chamado Philippus Aureolus Theophrastus, o Paracelso.  Ele resolveu percorrer a Europa atrás dos curandeiros, das parteiras e feiticeiros registrando o que aprendia em latim e em alemão. Escreveu muitos tratados médicos e traduziu numerosos textos do latim para língua comum e comparava saberes populares com os estudos médicos, para espanto da nobreza e do clero.

No reinado da Rainha Elizabeth I a importância das ervas e especiarias era tão grande como o ouro e a prata. Mercadorias como canela, pimenta e outras especiarias eram o alvo de piratas. Com a descoberta do novo mundo, os imigrantes traziam com eles as sementes e ervas preferidas, como melissa, tomilho e camomila.

Com a Revolução Industrial no final do séc. XIX e o avanço da engenharia química, prosperou no ocidente a indústria farmacêutica.  As plantas medicinais e a sabedoria milenar foram desacreditadas.

Porém este conhecimento nunca foi perdido e foi preservado nos jardins de vovozinhas, com benzedeiras, com índios, com mateiros e em estudos de Universidades pelo mundo todo. Todos os dias mais e mais pessoas se voltam para tratamentos naturais. Lojas com ervas e produtos naturais estão ocupando mais cidades pelo mundo afora. O conhecimento acumulado durante milênios está circulando também no mundo digital. As plantas medicinais aliviam muitos sintomas leves e podem caminhar juntas a tratamentos preventivos e no caso de doenças.

A Chacura acredita nesta parceria das ervas e a humanidade, no poder curativo e nos sentimentos positivos ao tomar uma xícara de chá, tisanas e blends. Conheça nossa linha de produtos. Alguns combinam com o seu momento!



Por: Natalia Schmeiske

Editor: Luciano S. Pascoal



(Fotos e imagens retiradas da internet.)

Visite nossa loja : https://chacuratea.com/

Imagens retira da internet

Conheça as plantas dos nossos chás: Pata-de-Vaca.

Muito usada na arborização das cidades do Norte ao Sul do Brasil. É uma árvore de porte médio chegando até 9 metros de altura. Também chamada de unha-de-vaca, pata-de-boi e unha-de-boi. É só reparar bem nas folhas que a gente entende o porquê destes nomes engraçados. A Bauhinia forficata, nome científico, anuncia a primavera florindo de outubro até janeiro.

Suas lindas flores.

Esta linda árvore é utilizada há centenas de anos pelos povos indígenas e população ribeirinha em vários países da América do Sul. No Brasil está presente em vários biomas, principalmente na Mata Atlântica. Esta leguminosa não é exigente com o solo e gosta mesmo de climas quentes. Já assegurou seu lugar nas plantas medicinais mais populares do país.

Há muitas tonalidades de flores nas suas diversas espécies, de branca a rosa, porém a mais estudada e utilizada na medicina natural é a de floração branca. Um diferencial da Pata-de-Vaca são suas folhas e os espinhos no caule.

Várias partes desta árvore sagrada são utilizadas: as raízes como vermífugo, as flores são um laxante. As folhas, colhidas antes da floração, são diuréticas. A casca é depurativa e usada no auxílio do tratamento de diabetes. Para fazer a infusão, uma boa medida é uma colher de sobremesa para uma xícara de chá. Mas atenção, não é indicada para crianças muito novas, grávidas, lactantes, e pessoas com hipoglicemia.

Pata-de-vaca com floração branca.

Aqui na Chacura usamos as folhas e o caule no chá Clean, um chá depurativo e indicado para complementar o tratamento de quem está com o colesterol alto ou diabetes. Respeito e valorizo muito os saberes ancentrais sobre a Pata-de-Vaca, e percebo que atualmente muitas pessoas desconhecem seus benefícios apesar da grande variedade espalhada pelas cidades.

Contagem regressiva para a primavera, fiquem de olho nestas árvores lindas da sua cidade. E se quiser colher suas folhas a hora é agora! 



Por: Natalia Schmeiske

Editor: Luciano S. Pascoal



O ato de plantar e a busca da simplicidade.

Foto: Luciano Pascoal

Estamos em uma sociedade cada vez mais conectada. E digo isso não no sentido de conexão sutil que todos exercemos segunda física quântica, por que isso de fato sempre ocorreu. Mais o conectada que me refiro é no sentido literal mesmo. Não desligamos, ficamos ansiosos com o barulho de notificações e para saber o que está acontecendo no mundo. Qual será a programação do fim de semana? O passeio, o restaurante do momento, a roupa que mais irá expressar o que estamos sentindo. E o que estamos sentindo? Está é uma pergunta necessária que deveria ser a primeira coisa que vem a nossa mente antes de decidirmos sobre qualquer atitude. Eu sei que parece que estou reclamando aqui com você mais não é o que pretendo. Este de fato é o paradigma desta era: permanecer conectados sem perder a nossa essência. E o que fazer diante desta agitação toda? O primeiro passo seria fazer uma pausa e buscar soluções para esta e outras tantas questões. Precisamos sempre fazer perguntas. E um grande passo para a transformação que queremos no mundo, um mundo mais amoroso e mais justo para todos, é a busca pela simplicidade.

Agrafloresta em Morretes

Isso mesmo: simplicidade! Nada mais simples e ao mesmo tempo admirável que as pequenas ervas aromáticas e medicinais. E para começar que tal ter uma, ou muitas, planta em casa e a observar. Esta relação simples é geradora de tantos aprendizados bons que as vezes não paramos para pensar sobre eles. Imaginem a emoção do primeiro ser humano que descobriu que a semente que caia no solo brotava novamente e dela renascia a mesma planta? Não temos registros deste incrível momento que com certeza mudou toda a humanidade. Está emoção acredito que volta, pelo menos um pouco, quando cultivamos na nossa própria casa seja em um jardim ou em vasos. É uma felicidade quando vemos que a semente ou a muda que plantamos brotou. Parece que conseguimos vislumbrar um futuro melhor a partir deste cultivo que se inicia. Aprendemos ali que cada jornada que desejamos trilhar começa mesmo com um único passo, como escreveu Lao Tsé (604-517 a.C.) um grande sábio chinês.

Plantando por aí.

A minha história com as ervas medicinais é também uma história de amor, sou apaixonada mesmo! E vislumbro um grande caminho pela frente, já que tem muitas variedades de plantas que ainda desconheço. Mais o que sei quero compartilhar com você que também se interessa e quem sabe torne um apaixonado cultivador. As ervas curam e mais que isso embelezam e alegrem a vida. Nada melhor que depois de um dia daqueles parar do lado de um pé de Arruda passar a mão em suas folhas, sentir seu aroma e observar suas incríveis cores.

Plantar em vasos é uma ótima alternativa.

Mais voltando ao ato simples de cultivar ervas em casa e o quanto é transformador este singelo hábito. O mundo que estamos acostumados exige cada vez mais técnica, perfeição e muitos se sentem pressionados. Nosso planeta azul, nossa casa, precisa que voltemos a ter vasos de salsinha e hortelã na janela. Para preservarmos nossa existência e também nossa essência.

Este é um caminho intuitivo e aprender as técnicas de cultivo de nada adianta sem o convívio diário com as plantas, que nos ensinam sem falar. Aliás gostaria de dizer que no aprendizado a intuição exerce uma papel essencial. Os sentimentos são motivadores das ações realizadas e para além de conhecer a teoria necessitamos querer, dar sentido, compartilhar, expressar e viver. A intuição tá ligada ao sentimento que está relacionada ao pensamento que motiva a ação.

Além do ato de plantar suas ervas medicinais, aromáticas, flores e o que mais quiser acrescentar nesta lista. Outro pequeno hábito que vem junto nesta busca da simplicidade é tomar chá. Tomem chás!

Vamos juntos cuidar da nossa casa, nossa mãe terra!



Por: Natalia Schmeiske

Editor: Luciano S. Pascoal



Imagem da internet. Cultive sua farmácia

Conheça as plantas dos nossos chás: Tília Cordata

Foto tirada em Mendoza, tive a sorte de ver a árvore inteira florida.

É uma árvore linda, chega a atingir até 40 metros de altura e possui uma copa claramente arredondada. A Tília tem origem na Europa Oriental (Península Balcânica, Hungria e Ucrânia), cresce naturalmente em encostas de áreas montanhosas com altitude moderada e climas temperados.

Aqui no Brasil não encontramos facilmente mais tive o prazer de ver muitas na região entorno da Cordilheira dos Andes, na cidade de Mendoza onde tirei estas fotos. Ela é muito utilizada como ornamental e plantada nas ruas e parques devido a sua forma, por sua resistência a podas e até à poluição.  

Para o chá fazemos a infusão das suas flores e brácteas, uma colher de sopa para 1 xícara. Possui sabor doce e aroma suave além de muitos benefícios:

Tília na cidade de Mendoza na Argentina
  • Tem propriedade calmante. Indicado em casos de insônia.
  • É um anti-histamínico natural, melhora tosses e irritação na garganta.
  • Indicado para gripes e resfriados, melhora dor de cabeça e enxaquecas.
  • Indicada para dores no estômago, prisão de ventre, inchaço e cólica

Está nos blends Respire e Kids. O Respire é um blend elaborado para melhorar gripes e resfriados, além de perfeito em dias de frio. E no Kids é um blend calmante e digestivo, além de doce naturalmente perfeito para introduzir o hábito de tomar chás nas crianças.

Para experimentar nossos blends visite nossa loja https://chacuratea.com/loja/



Por: Natalia Schmeiske

Editor: Luciano S. Pascoal



Conheça as plantas dos nossos chás: Melissa officinalis.

Erva cidreira

Erva-cidreira, erva-cidreira verdadeira, melissa são alguns dos nomes desta incrível planta. Originária do Mediterrâneo e Ásia, a Melissa é perene, tem o ano todo, já que utilizamos toda a erva no preparo. Um arbusto que pode chegar até 1 metro e multiplica-se por mudas melhor que semente. Possui folhas verdes claras um pouco áspera e pequenininhas flores brancas com cheiro de limão. Minha Vó Paulina sempre tinha um arbusto no quintal e tomava esse chá todos os dias.

Desenho: floração da Melissa

O maravilhoso livro “As ervas do sítio” da autora brasileira Rosy L. Bornhausen (aliás gostaria de mencionar que ela foi uma das primeiras autoras brasileiras a disseminar as histórias e a cultura do chá no país)  conta um pouco da história da melissa que gostaria compartilhar com vocês:

“O uso da erva-cidreira ou melissa é tão antigo que já aparece na Odisseia de Homero, e Plínio, o grande naturalista do começo da era cristã, dizia que as abelhas produziam mais mel e aumentavam a população quando se esfregava a erva amassada dentro das colmeias. Dioscórides aconselhava o uso da planta para picadas e insetos e mordidas de animais, especialmente a de cachorro. Era também a preferida dos árabes que a usavam como alimento e medicamento. A melissa ajudou a colonizar os Estados Unidos. Era o chá preferido das inglesas saudosas da pátria e um remédio para as doenças do dia-a-dia. Como todas as mentas, servia para acalmar, abaixar a febre, regular a menstruação e acabar com a dor de cabeça mais renitente. Hoje, o uso continua o mesmo. “

Um dos chás mais gostosos que conheço e possui muitos usos e benefícios:

  • Acalma dores no estômago, é digestiva.
  • Calmante natural, também melhora dor de cabeça e enxaquecas.
  • Alivia resfriados e tosse.
  • Abranda dores no baixo ventre e cólicas menstruais.
  • bochechos com o chá morno sossegam até dores de dente.
  • Usada em tinturas vegetais, garrafadas, cataplasma e até lavagens intestinais.

Esta planta incrível, claro, está em duas infusões da Chacura: tem o Chá Yin, para mulheres, e no nosso calmante o Com Alma.

 Já tomou seu chá hoje?



Por: Natalia Schmeiske

Editor: Luciano S. Pascoal